segunda-feira, 18 de abril de 2016

Fernando Brito: O governo, sem a política, nada é

Tomo a liberdade de reproduzir texto do jornalista Fernando Brito, publicado no Tijolaço. Precisas palavras que eu gostaria de assinar embaixo.

O GOVERNO, SEM A POLÍTICA, NADA É. SÓ A POLÍTICA PODE FAZÊ-LO SER ALGO OUTRA VEZ

Fernando Brito*

Ao nojo, à vergonha, ao espanto, à indignação, à tristeza, como todo mundo, eu cheguei ontem.

Mas não ao desânimo.



Não porque seja mais valente que qualquer um – e como nossa gente foi valente! – ou porque vá ficar trombeteando uma vitória parlamentar que nunca passou de esboço e, agora, parece ainda mais improvável.

Mas porque entendo o governo como um meio da política e não, um fim em si mesmo. Para quem tem ideias pró-povo, pró-país e pró-justiça (a social, porque a outra, está lambuzada até a medula), ele é indispensável para a consecução destas ideias, mas não é suficiente, porque sem a política suas ações não mobilizam e galvanizam a vontade popular e acaba por erodir-lhe o apoio.

Mesmo capenga, manietado, confuso, deficientíssimo e até com muitas contradições, é obvio que era (e ainda é, apesar de improvável) importantíssimo manter o governo. Menos que pelos avanços que ele ainda pudesse fazer que pelos retrocessos que ele poderia evitar que se fizessem.

E que se farão.

Ainda assim, não considero que o campo popular e nacionalista da política brasileira tenha sequer de longe razões para desanimar – motivos que, claro, reconheço aos indivíduos, que sentem o recuo de anos e sabem a vida curta para a História.

Os homens podem chorar o leite derramado. A história o refaz destas lágrimas.

É assim para as ideias, nem para as coletividades.

Ambas se constroem com o conhecimento acumulado em suas próprias lutas, seja nas  vitórias ou nas derrotas.

Estamos apenas no começo de um movimento que vai longe porque tem agora o que, com triste sinceridade, eu não via há dois anos.

Identidade com fraternidade entre os vários grupos, juventude dominando as manifestações (onde antes eu achava fácil os meus contemporâneos, já ficou difícil fazê-lo, embora estejam lá), narizes que andavam torcidos se destorcendo, porque sente o fedor grande que vem por aí, intelectualidade voltando a se mobilizar por causas gerais, e não por “ativismos setoriais” apenas e, apesar da miopia de alguns fraternos companheiros do PT, o fim do “exclusivismo petista”, em causas que são deles, mas não apenas deles e muito maiores que de qualquer partido.

Seremos mais fortes sem o Governo? Obvio que não e, pior, nosso povo estará mais fraco e desprotegido.

Mas não estamos nem estaremos mortos.

Décadas atrás, de volta para a roça onde nascera, minha velha avó caminhava, com aquela leiteira de alumínio tópica, até a Cooperativa, para buscar leite. E o neto, com seu fusquinha bege, incomodado com a longa caminhada, insistia em levá-la de carro. Ela se escapava do convite, negaceava, até o dia em que me disse: Fernando, eu não nasci com rodas, nasci com pernas.

Nós não nascemos com Governo, não vamos morrer sem ele.  Vamos defende-lo agora e, se preciso, retomá-lo depois.

Agora, com tudo o que aprendemos, espero.

*Fernando Brito é jornalista, editor do blog Tijolaço

Fonte: Tijolaço

1 comentários:

mensagensnanett disse...

A ocasião faz o ladrão!
O contribuinte PAROLO_ista faz o golpista!
.
.
Ao passar um cheque em branco aos políticos... o contribuinte PAROLO_ista está a incentivar o golpista... a aplicar um 'chega-para-lá' no adversário político... porque o golpista sabe que ao fazê-lo fica com a faca e queijo na mão!
.
.
O contribuinte não pode passar um cheque em branco a nenhum político!!!
.
.
Explicando melhor 1:
- Em vez de ficar à espera que apareça um político/governo 'resolve tudo e mais alguma coisa'... o contribuinte deve, isso sim, é reivindicar que os políticos apresentem as suas mais variadas ideias de governação caso a caso, situação a situação, (e respectivas consequências)... de forma a que... possa existir o DIREITO AO VETO de quem paga!
[ver blog « http://fimcidadaniainfantil.blogspot.pt/ »]
.
Explicando melhor 2:
- O contribuinte tem de ajudar no combate aos lobbys que se consideram os donos da democracia!
---»»» Democracia Semi-Directa «««---
Os políticos e os lobbys pró-despesa/endividamento poderão discutir à vontade a utilização de dinheiros públicos... só que depois... a ‘coisa’ terá que passar pelo crivo de quem paga - o DIREITO AO VETO de quem paga (vulgo contribuinte).
.
Explicando melhor 3:
- Os parolizadores de contribuintes - ao mesmo tempo que se armam em 'arautos/milagreiros' em economia (etc) - por outro lado, procuram retirar capacidade negocial ao contribuinte, isto é, querem que os contribuintes passem carta branca aos políticos... para que estes possam fazer as mais variadas negociatas com os mais variados lobbys.
.
Explicando melhor 4:
- Um político não se pode limitar a apresentar propostas (promessas) eleitorais... tem também de referir que possui a capacidade de apresentar as suas mais variadas ideias de governação em condições aonde o contribuinte/consumidor esteja dotado de um elevado poder negocial!

Classista possui:
Comentários em Publicações
Widget UsuárioCompulsivo

Mais vistos

  ©CLASSISTA - Todos os direitos reservados.

Template by Dicas Blogger | Topo